Cassino no PS, SM com $10KK Garantidos, volta do Pokercast e Lorem Action

146d_metapokerPokerstars libera cassino online para brasileiros
Em meio a divulgação que haverá alterações no rake dos torneios, marcada para ocorrer no dia 26 de março, o Pokerstars disponibilizou para o Brasil seu cassino online, que conta com inúmeras opções de vídeo poker e slot machines, além claro dos tradicionais BlackJack e Roleta. A aba “Casino” já estava aparecendo no lobby faz um tempo, mas desaparecia assim que o login era efetuado. Mais informações no Pokerstars Casino.

Sunday Million novamente com 10 milhões garantidos
Após overlay de mais de um milhão de dólares na edição de aniversário do Sunday Million, o Pokerstars vai organizar um novo torneio em 22 de abril com o mesmo valor garantido e uma premiação de pelo menos 1 milhão para o campeão. Mais informações no blog do Pokerstars com Sergio Prado.

146e_metapokerPokercast retorna com Guilherme Kalil e Marcelo Lanza
Podcast pioneiro sobre poker no Brasil, o Pokercast retornou no final do mês de fevereiro mantendo a qualidade de sempre. Com frequência semanal, o podcast já tem quatro episódios no ar, que contaram com a presença de Vivian Saliba e Felipe Mojave. Destaque para a entrevista com o presidente da CBTH, Ueltom Lima no episódio 4. O podcast pode ser acessado como Pokercast no Soundcloud ou no canal do Superpoker no YouTube.

Gerador de texto ironiza a onda de life coaching
Conhecido do ramo das artes gráficas, o Lorem Ipsum, um texto fictício utilizado para preenchimento de espaços em publicações, a fim de simular o visual final de uma arte, ganhou uma nova versão, o Lorem Action, um site de página única para geração de textos que satiriza as frases motivacionais recorrentes nos cursos e publicações de life coaching. A relação com o poker está na caricatura de Gabriel Goffi, ex-jogador, que estampa o site e empresta a frase “Bora pra action”.

 

Imagens: Pokerstars Casino e Pokercast

Uma análise sobre a nova grade do Pokerstars

Após jogar por mais de um mês com a nova grade, passar pelo SCOOP e juntar tudo isso com minha experiência de vários anos se dedicando a ter uma boa perfomance na arena do poker online, posso e devo fazer novamente comentários sobre as decisões da empresa Amaya/PokerStars.

Nós, como jogadores de MTT, fomos os últimos a serem afetados pelas novas diretrizes dessa companhia. Por um momento achávamos que seríamos poupados e tudo continuaria igual a antes. Eu preciso dizer pra vocês que nada ficou igual a antes. Podemos facilmente comparar as ações recentes do PS, e suas consequências, com as consequências que tiveram a Black Friday. Muitos e muitos players vão ficar sem chão pra trabalhar pelas medidas adotadas pela empresa. Claro que isso não vai ficar tão aparente num curto prazo, como foi quando o país com mais jogadores caiu fora do mercado de forma repentina, mas já está aparecendo nos garantidos, nos torneios disponíveis e nos payouts.

Relacionado a torneios, praticamente tudo piorou:

  1. Estruturas pioraram. Jogamos menos mãos a cada torneio, temos menos decisões difíceis e temos menos retorno por decidir menos. Vocês acreditam que eu já cheguei a jogar 10 mil mãos em apenas um domingo? isso foi meu recorde, mas em geral jogava de 7 a 8 mil mãos por domingo. Agora, mesmo se começo bem cedo, o que pra mim é ali pelo meio dia, acabo o domingo jogando de 5 a 6 mil mãos. O PS conseguiu eliminar 1/4 das minhas decisões e provavelmente esta levando uma quantidade similar de rake da minha conta! Não foram os outros sites que diminuiram a ação. Well played.
  2. Com a bagunça irresponsável que fizeram em todos os torneios, mudando-os de horário, alterando buy ins e transformando-os na maioria em turbos/hypers ou progressivos knock out, conseguiram despencar todos os Garantidos, atraindo progressivamente menos jogadores.
    Eles não sacaram que cada pessoa era apegada a um determinado torneio, naquela hora do dia, com aquele buy in. A grade anterior foi sendo moldada ao longo de vários anos, e tinha clientes específicos pra cada faixa de horário e buy in. E não me digam que a desculpa é a WSOP. Não é! Já estava ocorrendo antes mesmo da WSOP começar.
  1. Retiraram muitos torneios de extremo valor para os jogadores, aqueles que eram o ganha-pão dos low e mid stakers. Vou dar um exemplo, na faixa de horário das 17 até às 19 horas tínhamos estes torneios (que consigo me lembrar):

– Big 162, obviamente a mudança de buy in de 162 pra 215 não foi um sucesso. O torneio é muito inferior em clientes que o anterior.

– Turbos que eram torneios limpos, digo isso porque não eram progressive KO, nao eram hypers, tinham bons garantidos e conseguiam nos piores dias pagar de 2 a 3 mil dólares para o campeão: Hot 16, Turbo 16, Turbo 27, 55 Turbo 6max, 109 Turbo 9max, 27 Hyper (2x), 11 Turbo.

– Eliminaram da grade a estrutura de 1 rebuy e 1 add on, uma das melhores estruturas do site, com rake mais baixo e grande jogabilidade. Tiraram o 109 1r1a e colocaram um 109+R Turbo, com rake em todos rebuys e add ons! Que agora mal consegue juntar 20 cabeças em dia de semana. Piada!

– Havia diversos $5 2r 1add, havia também alguns bons que eram com knock out e progressivos, mas não eram exagerados, pois não ocupavam toda a grade da tarde. Como eu não jogava os low stakes, não sei o que rolou tanto por lá. Eu sei que, relacionado a satélites, a coisa também foi muito afetada, muitos sumiram sem reposição. Total falta de resposabilidade de quem sacou a grade anterior e teve preguiça ou má fé de repor a grade nova com tudo que a anterior oferecia.

Eu te garanto que esse novo conjunto de torneios, nessa faixa de duas horas, comparado com os anteriores (e não é exclusividade dessa faixa, são em todos os horários) vai contra os jogadores e o ecossistema do poker.

Pra continuar, deixe-me falar sobre os torneios que são progressivos knock out. Deixe-me te dizer que estes torneios são apenas torneios com RAKE MAIS ALTO, disfarçados no modo “divertido” Progressive KO. Mas, vou explicar essa minha declaração futuramente, em outro post. Tenho uma boa dose de confiança que estou certo nessa afirmação.

Mas, e não teve nada de bom, João? Os torneios novos em azul não são ótimos? Os torneios novos são ótimos, mas isso não merece elogios, por conta de todo o movimento retrógrado que a empresa fez. Adicionar alguns torneios não vai compensar todo o resto que fizeram contra nós. Nem de perto. O que então eles tão querendo fazer? A resposta é muito simples, mas é preciso apreciar todas as mudanças que eles já fizeram e analisar de forma holística. Aí a resposta vem bem clara.

O que eles querem evitar, como uma estratégia mais ampla de empresa, é que jogadores mais fortes se sobressaiam sobre os mais fracos de forma muito rápida. Por isso que:

  1. Acabaram e mentiram sobre o programa SUPERNOVA ELITE;
  2. Por isso que mataram os HIGH STAKES cash games, eliminando o rake back e eliminando certos jogos;
  3. Por isso que colocaram tantos Progressives KOs e transformaram tudo em hyper e turbos;
  4. Por isso que tiraram tantos dos torneios mais deep e mais jogáveis de mid e low stakes, evitando que as decisões de certos jogadores se sobressaiam financeiramente sobre os outros.

Através destas estratégias, a idéia seria manter o dinheiro com os jogadores mais fracos por mais tempo, até que a casa possa, através de cobrança de rake agressiva, Spin & Go’s, jogos de cassino e apostas esportivas, rapar o bankroll destes, antes que eles percam para o pool de jogadores de poker em torneios justos e equilibrados, onde cada parte envolvida tenha chances decentes e também diversão no processo.

Tenho mais a dizer sobre isso. Vou manter vocês informados sobre as últimas ações da Amaya contra a comunidade do poker. Como estou sem tantos torneios decentes pra jogar, então posso escrever no facebook, né?

 

Texto publicado originalmente na página pessoal do jogador. Imagem: welcomia/Shutterstock.com (editada)

Pokerstars, imaginação e caridade

O Pokerstars mais uma vez lança seu programa Helping Hands, para prover doações à Care International, que está atuando no Nepal ajudando as famílias vítimas do terremoto do dia 25 de abril deste ano. O deal é +EV, para cada dólar doado pelos jogadores, o site se encarrega de dobrar a quantia e enviar para a Care International. A iniciativa do PS não é nova, em novembro de 2013 o site também aceitou doações para as vítimas do furacão Haiyan, que devastou as Filipinas e deixou milhares de mortos. Se você deseja doar, pode encontrar mais informações na página Nepal Earthquake Emergency Appel, no site do Pokerstars.

Na literatura específica do poker, há um tema muito explorado, o de se colocar na posição do outro, tentar pensar como o adversário. Talvez esta seja a relação mais direta entre poker e caridade: a imaginação para com o outro.

Contudo, a caridade tem muitos lados, inclusive aquele menos falado e muito sabido, uma manutenção que visa deixar tudo como está, mantendo os que não têm, não tendo. Doa-se para manter a culpa de lado e deixar a consciência “limpa”. Doa-se para fazer o bem, mesmo quando o bem é somente sua própria imagem. Doa-se por imagem, quando o ato se resume à um marketing pessoal, quando é para ser visto.

A caridade, às vezes, é uma mecanismo estrutural quando é apenas um tipo de assistencialismo, talvez a faceta mais presente do próprio egoísmo, ou seja, ajudar apenas para manter as coisas como são, para manter o edge, novamente, deixando os que não têm, não tendo. Caridade como redenção, como escape pela situação de desigualdade, é um chute no saco.

Todos precisamos de caridade, é por isso que essa questão sempre passa por você. Ajudar ou não, ou saber ou não das implicações é importante, e a escolha é sua. Doar, de fato, não é pra se sentir bem (embora possa), mas para proporcionar algo, nesse caso da tragédia do Nepal, um alento.

Doar por imaginação, não para tornar a consciência limpa.

 

Imagem: rudall/Shutterstock (editada)

A propaganda do milhão de dólares no Spin&Go do Pokerstars e na WSOP

0081aO Spin&Go do Pokerstars entregou três prêmios de 1 milhão de dólares em janeiro deste ano. O Spin&Go é um SNG hyper-turbo de três jogadores, que tem seu prizepool definido logo no início da partida através de uma espécie de sorteio (o tal spin), que paga ao campeão, de duas até 3 mil vezes o valor do buy-in investido. Os jackpots milionários são exceções, e foram lançados no final do ano de 2014 como parte do Pokerstars December Festival, e estendidos para o mês seguinte em função de ninguém ter acertado o milhão de dólares.

Segundo reportagem do Cartas na Mesa, as chances de um prêmio milionário ocorrer são de três a cada 10 milhões de spins, mas três deles aconteceram num curto espaço de tempo, contrariando as estatísticas, o que seria uma aparente bad beat para o site.

O Spin&Go ganhou popularidade apesar das reclamações de alguns jogadores regulares, que defendiam que a nova modalidade retiraria dos fields tradicionais os jogadores recreativos, que supostamente prefeririam disputar torneios rápidos com chances maiores de prêmio como os Spin&Go’s, ao invés dos usuais SNGs, MTTs e cash games. A nova modalidade talvez seja fruto da aquisição pela Amaya, e dos questionários disponibilizados por pelo menos duas vezes aos usuários do Full Tilt e do PS nos últimos anos. Dá pra apostar que, como resultado das pesquisas, o jogador recreativo não é somente a maioria do universo de usuários, mas o mais importante.

Mas, o que aparenta ser uma bad beat para o PS, não é uma falha inesperada senão a melhor propaganda possível para divulgar o jogo, e o apelo do milhão de dólares, e não a facilidade em ganhá-lo, também contaminou o principal torneio do mundo, a World Series of Poker, que em 27 de janeiro anunciou a remodelada distribuição dos payouts do main event deste ano, que inclui uma faixa maior de jogadores premiados (os mil melhores colocados já entram na grana), e um salto substancial de 450 mil dólares de diferença entre o décimo e o nono colocado. Desta forma, qualquer um dos próximos November Niners se tornará milionário assim que a bolha da mesa final estourar. O que é mais propaganda do que realidade, afinal, os impostos são responsáveis por uma fatiada das boas na premiação dos primeiros eliminados da FT.

Pokerstars e WSOP sabem da importância do milhão em suas divulgações, bad beat mesmo seria a casa não ganhar, uma condição improvável. Curioso é perceber que na tentativa de atrair mais praticantes para o poker, um jogo de habilidade, seja preciso lançar mão de um apelo, a possibilidade da sorte grande: “o sonho de mudar de vida através de um prêmio milionário“, como disse Seth Palansky, redator-chefe do site da World Series.

 

Fontes: Spin&Go PokerstarsCartas na Mesa e WSOP.com. Imagem: Shutterstock

Poker gourmet, ou melhor, poker fetiche

Fala-se de poker de muitas maneiras, na conversa entre amigos, na mídia em geral e na especializada, entre quem vive do jogo e os que não sabem exatamente do que se trata, alguns com certa reserva, alguns assombrados pelos jogos de azar, enfim, cada um fala de um poker, e o entende à sua maneira, por vezes, até repetindo o que ouvem. Tantas são as formas de ver, que pudera, o formato ao final, acaba sendo mais importante do que o conteúdo nos dias de hoje. Não à toa, se temos ultimamente algo tão consagrado no mercado é a gourmetização de qualquer produto, e porque não, de uma ideia ou conceito. O brigadeiro de padaria dobra de tamanho e é vendido por cinco vezes o seu valor no shopping center, o cachorro-quente do final da balada se torna um food truck, e não tão distante, o já naturalizado selfie frente ao espelho da academia não é uma versão melhorada de si mesmo?

Se algo denominado gourmet é melhor, deixo para o seu gosto decidir, afinal a questão talvez não seja o produto em si, pois os novos brigadeiros parecem ser mesmo melhores, mas e o tal formato?

Quem não se lembra dos comerciais do PokerStars, muito bem produzidos e carregados de jogos de imagens repletas de conceitos e com uma trilha sonora matadora, abusando de conhecidos jogadores de poker, que outrora anunciavam we are poker! Dois ou três anos depois, o maior site de poker prefere Nadal e Ronaldo como garotos-propaganda, os jogos de azar virão com força nas plataformas online, e o slogan já carece ser reformulado… We are entertainment. E Ronaldo é melhor que Negreanu pra isso, impossível não perceber quem é mais conhecido, quem vai atrair mais gente pro gamble. Não é pra você, grinder, que eles estão falando, esqueça esse papo de team pro, eles já dispensaram a maioria, na nova gourmetização do poker o foco é atrair praticantes recreativos, que vão oscilar entre um sit and go e uma rodada de blackjack.

O gourmet não me parece um incremento no produto ou serviço, ainda que também o seja, mas exatamente um formato que faça com que você perceba esse produto melhor, ou que lhe chame mais atenção, um apelo de embalagem.

Agora que já temos uma nova, e cíclica, versão melhorada do poker, podemos seguir para o segundo ponto, o fetichismo. Dan Bilzerian, enquanto pateticamente não arremessa outra peladona telhado abaixo, é o fetiche que todo o poker pode produzir: belas garotas nuas, armas, iates, carrões e grana, muita grana, tudo aparentemente conquistado com o joguinho. Grana essa que pode tirá-lo da prisão e colocá-lo num jatinho particular. Uma matéria no site Terra fala da hispano-belga Gaëlle García Díaz, modelo e jogadora de poker, que afirma que joga alguns torneios com roupas sensuais afim de não ser eliminada pelos adversários. Segundo a reportagem, Gaëlle é “linda, ousada, tatuada e rica”. Fetiche puro.

Que baita moralismo chato, não? Não, não é isso ainda, não se trata de uma questão de certo e errado, já vamos chegar lá. Do outro lado temos todo um mercado, afirmando e reafirmando seu novo formato de poker, uma atividade esportiva, um esporte da mente. Um esforço pra tirar a pecha de jogo de azar, pra afastar de vez o tio viciado que perdeu a fazenda, e onde se pode ser um atleta dos feltros, e subir ao pódio segurando a bandeira. Nesse aparente paradoxo, vagas para o BSOP poderão ser conquistadas na roleta do PS? Contudo, o paradoxo é só aparente, tudo parece ser a mesma coisa, nivelada pelo formato.

Nada tão redutor quanto simplificar toda a complexidade do poker à um formato. Nada tão igualmente sedutor. Exatamente o que há de irresistível no formato, nos deixou com poucos recursos para refletir sobre o jogo. É como uma mão perdida antes de seu início, onde você segura par de ases, e sabe que aquilo é bom, mas não sabe o que fazer até o river.

 

Fontes: Terra e Canal do PokerStars no YouTube. Imagem: wavebreakmedia / Shutterstock (editada)

Uma viagem sem volta

Os novos donos do site PokerStars literalmente chutaram o pau da barraca, abrindo as portas do inferno para quem quiser entrar. Brevemente quando você acessar o site para jogar pôquer, encontrará várias arapucas disfarçadas de entretenimento que certamente levarão milhares de pessoas ao vício e a consequente bancarrota. Sinto repúdio só de pensar que, no lobby do site cujo slogan é “Nós somos poker”, encontraremos agora convites para jogar roleta, bingo, vinte-e-um e vários outros jogos reconhecidamente nocivos. O até então respeitado site PokerStars, que sempre levantou a bandeira do pôquer habilidade, intelectual e saudável… Pasmem! Agora, tenta de forma sórdida e gananciosa, induzir seus fiéis clientes apaixonados por pôquer a praticar jogos de azar.

Ao optarem por esse caminho, os novos proprietários demonstram claramente que não se importam, e muito menos reconhecem, o enorme esforço que os organizadores vêm fazendo ao longo dos anos para provar para a sociedade que o jogo de pôquer pode ser saudável. Essa lamentável contaminação que será implantada pelo site será tão maligna quanto, por exemplo, a de se colocar nas prateleiras de um supermercado pacotes de biscoitos ao lado de saquinhos de cocaína para vender.

A questão é, quem terá coragem de bater de frente com o poderoso PokerStars? Quantos pegarão o microfone para criticar esse absurdo? A comunidade do pôquer vai se calar? Vai se omitir? Ou terá a cara de pau de fazer campanha em prol desses abomináveis jogos? Não se pode mais ficar em cima do muro, esse é o momento para que os formadores de opinião se manifestem de forma responsável e imparcial.

Penso que, se os responsáveis pelo pôquer incentivarem essa aproximação contagiosa, estarão dando um tiro no próprio pé. Na tentativa de defender o site, alguns poderiam dizer que o pôquer sempre foi jogado em cassinos, e que sempre dividiu espaço com jogos de azar e nem por isso foi contaminado. Pura demagogia… Um dos motivos que interferem na não aceitação por parte da sociedade de que o pôquer é um jogo saudável é justamente a sua proximidade com os temidos jogos de azar que, de uma maneira ou outra, invariavelmente acabam atraindo alguns mais vulneráveis.

E também não me venham com argumentos do tipo: “o pôquer vai continuar no site e ninguém será obrigado a jogar outros jogos”. Os senhores bem sabem que, na prática, não é bem assim que funciona. Bom, o recado está dado. Cabe a você decidir o que é melhor para sua vida. O PokerStars já decidiu o que é melhor para o bolso dele e, de quebra, deixou evidente que não se importa com o seu. Abraços!

 

Imagem: Shutterstock (editada)

Pokerstars organiza torneio misto de xadrez e poker

A temporada 4 do UKIPT, o Poker Tour do Reino Unido e Irlanda, trará uma novidade em sua edição em Isle of Man no próximo mês de outubro, um torneio combinado de Xadrez e No Limit Hold’em.

Marcado para o dia 3 de outubro, durante a disputa do dia 1B do Main Event, o torneio inovador terá cap de 40 jogadores, buy-in de 220 libras esterlinas, e será composto por cinco rounds de xadrez e um torneio de poker hyper turbo. A cada round no xadrez, o vencedor recebe mil fichas adicionais para a disputa do torneio de poker, que começa com oito mil fichas e blinds de 15 minutos. Vencendo as cinco partidas de xadrez, um jogador tem a oportunidade de começar o hyper turbo com 13 mil fichas, o que se torna uma vantagem para encarar as dobras rápidas de blinds e partir para os flips.

A estratégia é a base em ambos os jogos, e entre dar check no xadrez e dar check no poker, a ideia de realizar um evento como esse pode parecer incomum, mas certamente é uma tentativa de aproximar mais o poker de seus pares, os jogos de habilidade. Agora só falta o triatlo Xadrez/Poker/Gamão.

 

Fontes: Italia Poker Club e UKIPT.com. Imagem: Shutterstock/Constantine Pankin

Pessagno tem a conta que todo mundo queria ter, se ela existisse

Os segredos do poker são sempre muito explorados. É a jogada de marketing perfeita, afinal, a ideia simplória de que existe algum tipo de atalho possível para se dar bem no poker alcança contornos quase sagrados, como uma salvação à distância de um clique.

Há um milk shake milagroso que te faz emagrecer, uma maneira de ganhar dinheiro fácil apenas enviando emails, você pode aumentar a piroca em dez centímetros ou localizar facilmente o ponto G, dá pra ficar com o abdômen definido usando um aparelho que dá choques na barriga, ou até mesmo entrar numa pirâmide financeira. É assim que ficamos acostumados a buscar continuamente mais um segredo, mais uma resposta.

Parte dos novatos no jogo e alguns jogadores que não aguentam mais levar um out no river são loucos por um segredo, um daqueles que vai catapultar a conta fedida para além da lama. Aí o Pessagno tenta explicar porque dá raise/fold com 7BBs, mas quem dá crédito? Todos querem saber o segredo.

Então aí vai um segredo, dos bons, Pessagno é um robô. É evidente, seu nome é a sigla para PokerStars Super Androide Grinder Online, seu volume de jogo é muito grande, suas tomadas de decisão parecem estranhas e não naturais para a visão dos jogadores. Não pode ser humano, só pode ser um autômato, por isso ele aparece pouco nas mesas dos torneios ao vivo.

E aí, passou o blefe?

A ideia de que existe um segredo, só alimenta a conspiração, afinal, só pode ser possível se houver um segredo por trás. Aliás, pra quem gosta de uma conspiração, esse artigo cai como uma luva, ou melhor, como uma broca, com direito ao Pessagno no final.

Dedicação, perseverança, anos de estudos, percepção e criatividade parecem não valer frente aos segredos, pois não é possível que algo tão elementar cause um efeito tão bom. Em nossos termos, não vamos ver a resposta para o segredo, nossos termos aprisionam nosso entendimento, procuramos respostas no lugar de mudar as perguntas. Reflexões como a de Gabriel Goffi neste vídeo, são a matéria prima para trabalhar o jogo fora da conta premiada ou dos segredos.

Na prática, entre optar por push ou fold com 10BBs, a pergunta pertinente não é se devemos ir all in ou fold, mas se devemos escolher uma dessas duas opções.

Abaixo, o segredo da conta de Caio Pessagno.

 

Fonte: Blog do Pessagno e Canal Caio Pessagno no YouTube