Regulamentação do poker: uma busca por equidade

Podemos começar com um passado recente e outro muito recente. Em meados de 2009 conversava pela manhã com um amigo que varou a noite numa delegacia prestando depoimento, ele havia sido levado pela polícia junto dos demais jogadores durante a disputa de um torneio de poker, num dos poucos, e por isso conhecidos, clubes da capital paulista na época. Era sua primeira investida no poker ao vivo, com exceção das mesas em casa com os amigos. Por sorte correu tudo bem e ele encarou a situação com naturalidade, afinal, naqueles tempos isso era um fato comum. Vale lembrar, sair de um home game para jogar poker num clube, era por vezes, algo evitável para uma parte dos jogadores recreativos há 7 ou 8 anos, em função de ocasiões como esta.

Em dezembro de 2014, numa mesa de cash game num grande cassino na Flórida, ganhei o jackpot da high hand, 200 dólares para a mão mais alta que segurasse até o final daquela hora, e como minha quadra não foi batida, aguardei a chegada do floorman para receber o prêmio. Em meia hora ele estava ao meu lado, pediu passaporte, coçou a cabeça, foi ao cashier e depois de mais meia hora retornou com uma papelada e a grana na mão. Preso ao prendedor da prancheta, um tipo de recibo e algumas folhas cor de rosa em duas ou três vias, era o imposto referido aos estrangeiros, que beliscou 30% do prêmio. Assinei. Satisfeito com o capilé, pero no mucho.

Bom, nessa pequena linha do tempo espero ter mostrado dois lados da mesma atividade, o poker. Dois lados opostos que ainda hoje expõem as contradições de um mercado. O H2, famoso clube paulistano de poker, foi fechado pela polícia em março deste ano, enquanto que na mesma época, os jogadores da etapa da Brazilian Series of Poker em Balneário Camboriú pagavam impostos sobre seus ganhos por terem concluído suas participações no torneio dentro da faixa de premiação. Um contrassenso, não?

É justo ser detido pela polícia por jogar poker? É justo pagar 1/3 do prêmio em impostos? Precisamos de justiça? Bem, Aristóteles, filósofo da Grécia Antiga, nos diria que precisamos ir além da justiça. Em Ética à Nicômaco, uma de suas principais obras, ele desenvolveu um conceito de justiça que é usado no Direito até os dias atuais, baseado num saber prático que está relacionado diretamente à ética. Aristóteles entende a justiça como virtude, e divide seu conceito primeiramente em justiça geral e justiça particular. A primeira trata da observância da lei, já a segunda tem como objetivo realizar uma igualdade proporcional entre os envolvidos.

Dentro da justiça particular de Aristóteles está a ideia de equidade, a forma justa da aplicação do Direito, uma adaptação da regra que considera igualdade e justiça, interpretando a lei e levando em conta a especificidade de cada tema, algo que vai até onde a lei não alcança. Parece um pouco diferente da noção que temos no poker, onde equidade está relacionada com a parte do pote que o jogador espera ganhar no longo prazo dependendo das suas chances de vitória, da probabilidade da sua mão. Mas não, no fundo o conceito está presente em ambas definições, precisamos da equidade de Aristóteles na regulamentação da atividade, a parte do pote que nos convém.

Ou seja, precisamos ir além da justiça, precisamos de equidade em seu sentido mais amplo. Uma regra específica para uma atividade específica. É o papel que se espera deste novo grupo de trabalho, levar ao Ministério dos Esportes subsídios para que a atividade se regulamente da melhor forma para jogadores, dealers, clubes e operadores do mercado. Que permita nosso amigo ir ao torneio sem ser preso, que retire da atividade a clandestinidade que nela resta, e onde o imposto pago pode ser o justo, equitativamente justo nesse pote. Um marco para um longo prazo.

Evidente que o poker é igual a trabalho pra muita gente, e há certa quantidade de jogadores receosos, principalmente profissionais que jogam online, pois o que está por vir é uma incógnita. Alguns mercados na Europa já passaram e estão passando pelo mesmo processo, e cada um está experimentando os resultados, que bons ou ruins servem de modelo, pois regulamentar o poker não é uma questão de escolha, mas uma condição. A regulamentação é também uma preocupação dos operadores de poker online, o risco de operar num país sem mercado regulado é alto, por vezes inviável. Portanto, as reações contrárias a regulamentação por uma parte da comunidade de poker online são legítimas e precisam ser consideradas desde que lúcidas. Parece simples, teremos o funcionamento das salas de forma regulamentada, ou não teremos salas, o que deve acontecer num médio prazo. Por isso as reclamações em favor do “deixa como está” ou “pra que foram mexer aí”, parecem negações de uma realidade evidente, por isso precisamos de jogadores conscientes, com discurso coerente e disposição para o debate.

Atacar o início do processo de regulamentação do poker no Brasil é uma opção, mas uma opção de vítima apenas. Nesse caso, atacar não é escolha, é defesa, defesa contra uma suposta injustiça. Primordial é notar que a escolha a ser feita, afinal, reside na forma com a qual cada jogador de poker brasileiro pode atuar nesse processo, e isso inclui ser crítico e contributivo nessa questão. Xingar é ser acrítico, apoiar cegamente e incondicionalmente, idem. Ser ético é uma saída atuante, é se abrir para a possibilidade do outro, ter imaginação para com o outro. Nossa participação se dá em várias direções, pode ser um texto como esse, uma conversa com os amigos, nos clubes, discussões nos fóruns de poker, cobrar esclarecimentos e uma atuação direta nas federações. Fazer o que está ao alcance, municiando quem vai representar o mercado do poker com aquilo que nos aflige e beneficia.

Hoje, precisamos perceber que o poker no Brasil é uma indústria, tem interesses, política, valores, e está sujeita a todo um sistema, contudo é uma atividade que escolhemos participar, seja lá por qual denominação cada um a entenda, esporte, trabalho, jogo de habilidade ou entretenimento. E como qualquer mercado, caminha para uma regulamentação que precisa assegurar a própria existência, esse é o ponto de partida de qualquer discussão numa sociedade que aprende a lidar com um mundo interligado e cheio de novas alternativas de negócio. Uber, Netflix e similares são exemplos de que a força inovadora presente em qualquer mercado, demanda dos governos, atitudes. Poker é uma dessas novas atividades.

Por todos essas questões que pressionam o nosso poker por todos os lados, e farão surgir uma remodelada atividade, precisamos de equidade.

 

 

Imagem: Konstantin Faraktinov/shutterstock.com (editada)

Um cruel novembro sem Daniel Negreanu?

A comoção notada por todos e na mídia especializada após a eliminação de Daniel Negreanu é compreensível. Um bom jogador como Phil Ivey, que já foi November Nine, não capitalizaria tanto para o mercado do poker quanto Negreanu, que é tido como embaixador desta atividade principalmente pela forma com a qual lida com a mídia e promove seu principal patrocinador, o PokerStars. Isso deixa uma pergunta, Negreanu precisa mais do mercado do que o mercado precisa dele? Típica pergunta como a do ovo e da galinha, mas quem veio primeiro não é o assunto desta reflexão.

Senão os próprios postulantes ao November Nine, quem seriam os outros torcendo contra Daniel Negreanu? De alguma forma, no poker há uma diferença perceptível em relação à outras competições, o público tende a torcer e prestigiar os mais habilidosos, mais conhecidos, melhores. É de se pensar quais os motivos que nos levam por vezes a torcer para o lutador de compleição menos robusta numa luta ou arte marcial, ou torcer para os Camarões contra a superior Alemanha numa partida de futebol, e porque gostamos quando o time do interior, mais carente de recursos, bate um Corinthians ou um Flamengo.

Com exceção da rivalidade encontrada no último caso (um palmeirense supostamente gostaria de ver uma derrota corinthiana), há talvez uma vontade de compensação nas competições, que pode ser vista quando torcemos para o mais fraco numa briga, como uma forma de compensar a diferença, esperando um resultado que pareça ser mais justo, o velho Davi e Golias presente no imaginário. No poker não, queremos que o melhor vença.

E como se trata de poker, pode-se dizer que a queda de Negreanu no Main Event, literalmente caído e estirado no chão, foi cruel. Sim, pode-se, mas por motivos que acredito serem diferentes dos citados acima. As palavras crueldade e cru têm a mesma origem etimológica, e são derivadas da palavra cruor (sangue, no sentido de sangue derramado por violência, que difere da palavra sanguis, que é o sangue correndo nas veias), de forma que aquilo que parece cruel é o que é cru como a realidade, e não o que é injusto e cruel.

A eliminação de Negreanu só pode ser cruel se está sob a condição de ser crua, ou seja, de ser puramente real, a realidade nua e crua que deflagra a natureza igualmente inerente no poker: não há justiça nos jogos, e isso não é um problema, pois afinal, também não há injustiça.

Talvez algo difícil de lidar por parte dos jogadores, que entendem que uma boa mão pré-flop deveria vencer, ou que é legítimo uma trinca flopada sair vencedora independentemente de que cartas alcancem o river. Quantos jogadores acham injusto serem eliminados quando estão com top pair no flop e as cartas do adversário acertam uma broca ao final da mão? E quantos deles não usam isso como desculpa? Quantos justificam suas jogadas em função de uma suposta injustiça ao ver seus pares de Ás quebrados? Negreanu, muito lúcido e ciente da realidade do jogo, não se interessa exatamente pelas cartas, mas precisamente pelo pensamento por trás delas, e explanou seu ponto de vista em três mãos jogadas no Main Event, neste artigo em seu site, o Full Contact Poker. Well done, KidPoker!

Segundo ele, “o jogo é simples, e se complica na medida que o tornamos complicado”. Quando criamos em nossas mentes tal vontade de justiça, o que é uma ilusão, deixamos de perceber que a aleatoriedade do jogo é superior e fatal. No poker, merecer não é sinônimo de vencer, embora algumas vezes isso possa acontecer, como no caso do bracelete do Decano, ou das inúmeras vitórias de Negreanu.

Contudo, simplesmente aceitar o jogo como ele é, seria uma resignação. Por outro lado, ressentir-se do jogo nos levaria ao mesmo ponto, pois ambas são reações ao fatalismo do baralho. Seria, como por exemplo, aceitar que é o baralho que resolve e você nada pode fazer (no primeiro caso, quase que assumir o poker como jogo de azar), ou abandonar o poker por ele ser injusto (no segundo caso, acreditando mais na ilusão do que na realidade). Uma possível saída para esses dois casos seria entender a natureza do jogo, e somente assim criar através dessa condição, o que pode não ser exatamente uma solução, mas parece ser uma possibilidade mais potente, onde não somos vítimas do jogo que escolhemos participar.

Portanto, não há nada de errado, e nem de certo, na eliminação de Negreanu, afinal, ainda bem que ele caiu, pois sem isso o jogo já teria suas cartas marcadas, já teríamos um poker onde o jogar não vale de nada, num tribunal onde a sentença é sempre favorável aos que já estão estabelecidos. Se já está definido quem deve ganhar, não é necessário jogar. Só existe um participante com vaga garantida no November Nine, o poker. A queda de Negreanu nos faz lembrar, ou melhor, nos traz para a realidade imanente do jogo: o jogo.

 

Fonte: Full Contact Poker. Imagem: Retirada da fanpage de Daniel Negreanu no Facebook

Vingança e entendimento na ética do poker

No torneio de 3,5 mil euros de buy in do 2015 Paddy Power Irish Open, uma mão despertou o inconformismo da comunidade do poker. A história começa quando o irlandês Donnacha O’Dea aposta no flop e coloca o alemão Andreas Gann em all in se ele der call. Acontece que o alemão, que tem o nut flush, opta por uma das práticas tidas como das mais detestáveis no poker, o slowroll.

No vídeo abaixo, você pode conferir o desfecho da mão, as reclamações e comemorações dos demais jogadores, e principalmente a cara de ódio e nojo do parceiro ao lado. A reação mais comum quando se presencia um slowroll é sabida: que jogador idiota! Porém, jogadores atentos à outros aspectos do jogo defenderam o alemão, argumentando que seu comportamento se deve a falta de experiência, que mesmo estando na mesa final, o jogador amador estava nervoso e temendo a eliminação.

Há quem diga que o baralho fez justiça, o que muitas vezes é apenas uma expressão, mas traçando um paralelo, por vezes esse pensamento é uma forma de pensar e agir. A ideia de que o baralho pune está no mesmo nível de entender que ele premia, duas faces da mesma moeda. Quando esta visão ultrapassa a realidade, o jogador vai continuar buscando seus draws e rezando para seu out bater, contando com a ajuda transcendente do mundo imaginado do poker. Quiçá, pedir aos tais deuses do poker uma forcinha, ou uma vingança.

Nesse sentido, desejar que o jogador do slowroll se dê mal é comum, mas está longe de um entendimento do que aconteceu. Não há dúvida sobre o ocorrido, foi slowroll, mas há dúvida quanto à intenção do alemão, e embora o entendimento não mude a situação, pode mudar sua forma de olhar para cada acontecimento, e contribuir para uma visão mais ampla.

Mesmo num jogo onde enganar o oponente e tirar vantagem é prática comum (e válida), há um linha clara que não deve ser ultrapassada, há uma ética que deve ser seguida. Estamos nesse caso discutindo ética, e há outros casos de conduta anti-ética no poker que foram notórios, como o angle shoot do venezuelano Ivan Freitez, no EPT Grand Final de Madrid, em 2011. Freitez claramente teve a intenção, tendo repetido o mesmo comportamento em outras ocasiões durante o torneio.

Quando o baralho “faz justiça”, podemos estar nos pregando uma peça, enxergando apenas com os olhos. Uma punição ao jogador, estabelecida na regra, é o justo, mas não há justiça no baralho, que insiste em nos lembrar da realidade, ainda que muitos só vejam justiça divina nas coisas.

 

Imagem retirada do vídeo do canal Paddy Power Poker no Youtube