A grande jogada de Molly

O assunto de A Grande Jogada (Molly’s Game, 2017) não é o poker, embora ele seja a metáfora mais adequada para elucidar a trama. O filme é baseado no livro de Molly Bloom, a garota que organizou por uma década um secreto e exclusivo cash game high stakes que contava com celebridades, ricaços e a máfia russa. Bem enredado, o filme retrata a vida de Molly intercalando seus momentos no passado com a trama do tempo presente.

O elo apresentado entre passado e presente nos dá duas possibilidades de analisar o filme. Primeiramente, podemos destacar a fase poker de Molly, que vai desde seu début no mundo da jogatina, até o jogo insano de três milhões de dólares numa única mão em Nova Iorque. Esta fase pode ser dividida em três partes, distintas entre si pelo tratamento visual e pela forma com a qual Molly lida com o jogo. Basicamente, seu envolvimento é refletido visualmente no ambiente, seguindo o esquema de um semáforo. Explico a analogia, quanto maior e mais perigosa é a sua relação com o poker, mais as cenas vão ganhando a predominância de uma cor, que vai do verde no início, ao vermelho no final.

No Cobra Lounge, estreia de Molly no mundo do poker, o ambiente é pintado com luzes verdes, e feltro e fichas são igualmente da mesma cor, ou seja, a passagem está livre para a princesa do poker e tudo o que ela faz é usar de sua inteligência para desenvolver o jogo a ponto de conseguir tomá-lo pra si. Na sequência, quando a protagonista organiza seu próprio jogo, se tornando a banca, o sinal de alerta surge, e em Los Angeles as cores predominantes passam a ser os tons dourados e amarelados, detalhes no feltro e fichas também acompanham a mudança. Quando o jogo de Molly chega em Nova Iorque, o vermelho toma conta, os valores aumentam, o rake começa a ser retirado, o vício em drogas atinge seu ponto alto e os frequentadores não são apenas ricaços em busca de diversão, há criminosos notórios entre eles, e finalmente o feltro indica: perigo!

Já, a parte da trama que trata do tempo presente é substancialmente mais mental, e se utiliza das cenas de infância e adolescência de Molly pra nos entregar o que há de mais determinante no filme.

Molly representa a obstinação recorrente nos atletas de esportes de alto nível, que os leva à privações, cobranças e treinos exaustivos, forças para além de suas vontades ou participantes delas. De certa forma, a rigidez do pai treinador-psiquiatra e o meio esportivo moldam seu caráter competitivo, mas fica claro que não é isso que move a protagonista e os demais personagens no filme. A terapia de três perguntas feita à beira da pista de patinação pelo seu pai, pode carecer de refinamento, mas entrega em poucos minutos que tipo de valores Molly carrega consigo.

É na vida emocional (e não em sua demasiadamente apresentada inteligência) que está o motor da protagonista e dos demais personagens, que colocam no feltro seus desejos, valores e frustrações, afinal, se a vida concreta coloca inúmeras barreiras para lidar com esses temas, o jogo como elemento descolado dessa concretude é o local propício para que esses aspectos surjam, pois ao jogar nos colocamos “em jogo”, uma espécie de descontrole por escolha própria.

A lista de dileções favorecidas ou freadas é longa no filme, vamos para algumas. O Jogador X não gosta tanto de poker quanto de arruinar a vida dos outros, e reproduz seu comportamento habitual ao tirar Molly do jogo. Harlan Eustice, o jogador bancado por X, busca controlar o jogo e a vida, a ponto de organizar toda a festa para esposa minuciosamente, característica de alguém que encontra no controle enorme satisfação, e é exatamente quando as coisas não vão conforme o esperado que o tilt o assalta em mais de um milhão de dólares. O advogado de Molly escolhe defendê-la porque quer para a filha o modelo feminino que ela mesma já carrega do pai.

Contudo, há tempos não parece mais ser possível Hollywood contar qualquer história que escape da batida estrutura narrativa do herói que passa por percalços e se salva ao final. É esse o traço previsível que deixa Molly’s Game no lugar comum, embora tenhamos um filme bem apresentado. GG ao diretor.

 

Imagem: Martijn Smeets/Shutterstock.com (editada)

Relato de um jogador de pôquer

Conheci o jogo de pôquer como a maioria dos jogadores iniciantes da minha época. Comecei jogando torneios com valores pequenos, perto de casa e sem nenhuma pretensão. Tempos depois, fui aumentando a minha presença nos chamados “clubes de pôquer”. Começava aí o início radical de uma mudança perigosa de hábitos.

Sem perceber, passei a respirar pôquer 24 horas por dia: só queria conversar com quem falava de pôquer, substitui os programas de televisão por vídeos sobre pôquer, troquei os livros de temas diversos por livros de pôquer, troquei a minha confortável e cheirosa cama king size pelas imundas cadeiras das casas de pôquer, troquei a convivência com a minha família e com meus amigos pela convivência com as pessoas que jogavam pôquer, troquei o meu saudável sono noturno pelas horas diurnas mal dormidas. Como se não bastasse, quando não estava nas casas de pôquer, jogava no computador de casa.

Todos os meus exames rotineiros de saúde, sem exceção, passaram a mostrar acentuado declínio. A minha excelente forma física pouco a pouco foi regredindo, a minha alimentação deixou de ser regrada, mas o meu foco continuava sendo o pôquer, a adrenalina que o jogo me proporcionava junto com a ínfima possibilidade de ficar rico da noite para o dia. Isso tudo continuava falando mais alto.

Pois bem. Fui aumentando gradativamente os valores que jogava e troquei os clubes fedorentos pelos luxuosos cassinos. Nossa! Me hospedei em hotéis estrelares, frequentei alguns dos melhores restaurantes do mundo, degustei vinhos espetaculares, assisti shows fantásticos. Vivi uma vida surreal. Mesmo sem ter estudado o jogo (o que foi um grande erro), passei a jogar os grandes torneios do mundo: joguei com muitos que até então só tinha visto nas telas do computador.

Com o passar do tempo, com as longas ausências e sem alcançar os resultados realmente importantes, ou seja, ganhar dinheiro de verdade, os conflitos com a minha esposa foram se intensificando e de nada adiantavam os conselhos que recebia. O meu poder de persuasão era tão grande que, em determinado momento, a minha esposa deixou de me criticar para me apoiar. Hoje consigo enxergar que na realidade ela estava, de forma estratégica, quase que desesperadora, fazendo de tudo para não me perder definitivamente para o pôquer.

Até que um dia a conta chegou. E bem salgada, por sinal. Hoje, vigilante e consciente dos erros cometidos, tento juntar os cacos que restaram de uma escolha de vida equivocada. Voltei a valorizar a minha família, meus amigos, busco retornar às minhas atividades laborais, retornei com a minha atividade física, voltei a comer bem, dormir bem, retornei para o meu mundo, mundo este que nunca deveria ter saído.

Este relato não tem a intenção de julgar ou criticar aqueles que praticam o pôquer, até porque existem pessoas que fizeram fortunas jogando ou explorando o jogo. Simplesmente, comigo, por inexperiência, por falta de estudar o jogo, por falta de sorte ou simplesmente por falta de capacidade, não deu certo. Talvez, como forma de me desculpar com a minha família e meus amigos, tenha resolvido compartilhar a minha experiência mal sucedida. Sinto que seria covardia e egoísmo demais guardar comigo tanto conhecimento e experiência que adquiri por um preço altíssimo.

Portanto, falo principalmente para os mais jovens, para os mais sonhadores, para os mais suscetíveis a promessas de dinheiro fácil e de forma rápida. Não se iludam: a realidade não é bem essa que vocês veem nos canais de comunicação especializados em pôquer. Lá, de um modo geral, só se mostra um lado da moeda. NÃO TROQUEM OS SEUS ESTUDOS OU OS SEUS PROJETOS DE VIDA, nem que seja por um determinado tempo, pela árdua missão de tentar viver como um jogador profissional de pôquer no Brasil. A excelente atriz Lilia Cabral, que interpretou com maestria o papel de uma jogadora viciada em jogos, inclusive o pôquer, disse: “se eu conseguir ajudar ao menos uma pessoa com a mensagem que tentei passar, já me sentiria realizada”. É bem por aí.

 

Imagem: rudall30/shutterstock.com (editada)