Artigos

O risco do não risco

1 322
136_metapoker

Não sou o primeiro e também não serei o último a comparar e encontrar semelhanças entre o poker e a vida. Desenvolver habilidades como ler pessoas, identificar padrões comportamentais, perceber que determinadas situações se repetem. No poker e na vida é possível pensar muito além das cartas que possuímos e das cartas expostas na mesa. As cartas na mão são as oportunidades que nos são dadas a cada dia, a cada momento. As cartas na mesa são as incontáveis circunstâncias as quais estamos expostos, seja na vida profissional, afetiva e familiar.

Hoje, quero compartilhar minha visão sobre o risco em nossas vidas, e daquele que talvez seja o risco mais perigoso de todos, o de não querer correr riscos.

Como em um campeonato de poker, quão bom seria esperarmos várias mãos sem jogar até que possamos receber cartas boas? Os mais conservadores diriam que essa é uma forma lucrativa de jogar. E quando receber o tão aguardado par de Ás? Bom, com essa mão, você deveria fazer a jogada correta, conseguir reduzir seus adversários a apenas um, induzi-lo ao erro, e fazer com que a mão termine em all in, em uma situação onde suas chances são de 85% de vitória. Esse seria o retrato da forma mais conservadora de jogar poker.

Sob o ponto de vista do risco, eu diria que evitar o risco, adotando uma postura conservadora, resulta em assumir automaticamente novos riscos, e que é improvável que você consiga eliminá-los de qualquer situação. Então, que riscos você corre em jogar o poker de forma passiva? Corre o risco de ficar muitas rodadas sem jogar, dessa forma perder para os blinds, risco de se tornar previsível, e quando você jogar saberão que tem cartas boas, risco de não conseguir ação nas suas jogadas, risco de ser explorado pelos seus adversários, e principalmente, o risco de não evoluir. Ao jogar passivamente, você deixa as circunstâncias decidirem por você, e sobreviver será pura questão de sorte.

A foto acima representa o meu pensamento. Foi uma situação vivida por mim na WSOP Circuit Brazil 2016, evento Brazilian Storm, que pagou em premiação mais de 1,5 milhão de reais. Estava na bolha do evento, para quem não sabe, é o momento em que resta cair um jogador para que comecem a distribuir a premiação, ou seja, perder nesse momento significa ir embora pra casa sem nada, é uma das piores situações para o jogador de poker. O meu adversário estava na seguinte situação, esperando uma mão boa para dobrar e entrar na faixa de premiação. Entrei na mão para jogar com ele, e como mostra a foto, me envolvi em um cooler, vendo minha quadra de 9 bater o full house do adversário de K com 9. O meu adversário, com a segunda melhor mão do poker, caiu na bolha da premiação, foi embora pra casa sem nada, ou como dizem, foi o primeiro dos últimos, e eu avancei mais 269 posições na faixa de premiação. O que quero dizer com isso? Não adiantou esperar a grande oportunidade de dobrar, que no caso, era o par de KK na mão do adversário, ele acabou perdendo para as circunstâncias.

Não tenho a intenção de defender nenhum perfil de personalidade, mesmo porque acredito que o que nos torna ricos como seres humanos é a diversidade, em todos os sentidos. Vamos ao que interessa.

Somos incentivados desde criança a sermos conservadores. Estudamos nas melhores escolas que nossos pais tenham condições de pagar, ou nas melhores escolas públicas que nossos pais consigam vagas, para que isso nos possibilite passar nos melhores vestibulares, e então ter condições de trabalhar nas melhores empresas, para que isso nos dê uma vida próspera. Em outras palavras, aprendemos desde cedo a viver do depois, o que preciso fazer hoje para que eu possa ter grandes oportunidades no futuro!? E se o futuro não for tão próspero quanto planejávamos? E se no meio do caminho acontecer algo que não podíamos prever? Vivemos a vida nos preparando para as grandes oportunidades, só nos esquecemos de uma coisa, a vida pode não nos dar tantos pares de Áses quanto esperamos, e mesmo que nos dê, sempre há os 15% das vezes em que perderemos, que desperdiçaremos as oportunidades.

É preciso agir, aproveitar cada pequena oportunidade que recebemos todos os dias. Esperar grandes oportunidades não vai garantir o nosso sucesso. Não importa quais são as cartas na mesa, ou no caso, as circunstâncias, isso não podemos controlar ou prever, mas podemos aproveitar as oportunidades que nos são dadas, usar as circunstâncias a nosso favor e garantir uma pequena vitória a cada dia. Toda mão jogada fora é uma oportunidade que deixamos passar.

E então, quais são os riscos de escolhermos viver uma vida “sem riscos”, ou o que eu chamo de viver de forma passiva? Os mesmos de jogarmos poker de forma passiva. Na vida como no poker, ao escolher não correr riscos, você assume automaticamente correr outros riscos. Como o de ficar ultrapassado, não aprender, não evoluir, não chegar tão longe quanto poderia, pensar que nunca terá revés na vida, afinal escolheu não correr riscos, fechar as portas para novas possibilidades, pois acha que as possibilidades atuais são suficientes, e o mais importante, você será sempre refém das circunstâncias, e mais uma vez, ter sucesso no longo prazo será pura questão de sorte.

Você pode me dizer que tem uma família que te dá um suporte, um emprego estável, que é um empresário de grande sucesso, e que se tudo continuar dando certo, conseguirá viver tranquilamente pelo resto da vida. Também vai me dizer que não arriscaria mudar de vida, pois pode colocar tudo a perder. E eu vou então te perguntar, o que vai fazer se perder seu emprego estável? Se as regras da previdência mudarem e você achar que isso te prejudicou? Se a sua empresa não vender mais como vendia por causa da concorrência da China? Quando você ver que não se atualizou mais, que não aprendeu, não evoluiu, e que não sabe fazer outra coisa a não ser o que você faz hoje?

É como perder para os blinds, você vive passivamente, não aproveita as oportunidades que a vida te dá, não aprende, não evolui, e quando não tiver mais o sucesso que tem hoje, vai colocar a culpa nas circunstâncias, na má sorte. Não dependa das circunstâncias, aproveite as oportunidades que a vida te dá, e mesmo que as coisas não saiam como planejado, sempre haverá uma próxima mão, uma próxima oportunidade.

E você, como quer viver, esperando uma grande oportunidade para vencer ou vencer a cada pequena oportunidade? A hora é agora! Vamos jogar?

 

Imagem: WSOP Circuit Brazil 2016, evento Brazilian Storm (D. Rebollo)

About the author / 

Diego Rebollo
Diego Rebollo

Diego Yoshio Rebollo é mooquense, economiário, bartender, nadador e jogador amador de poker.

Related Posts

1 Comment

  1. Leandro Cabral (Nando) 31/07/2017 at 21:33 -  Responder

    Excelente artigo ! E parabéns pelas perfeitas analogias !
    Abs

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Preencha o campo abaixo para validar seu comentário * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Arquivos

Comentários