Campeão na canhota

Depois de uma década fazendo viagens para Las Vegas na mesma época do ano, você começa a reencontrar com certa frequência alguns personagens, gente que visita os cassinos e aproveita as atrações da cidade, e claro, aqueles que trabalham para que tudo isso aconteça. Assim, o ambiente começa a se tornar familiar, a cada ano pode-se testemunhar os dealers envelhecendo, o costumeiro jeito das garçonetes (e o mau humor de uma ou duas), e ser reconhecido pelo diretor de torneio, que foi de dealer à floorman e agora comanda a sala.

Mas, jogadores são sempre mais interessantes, prato cheio para boas histórias, afinal, os que se envolvem em jogar, de certa maneira têm um tipo de predisposição a serem conduzidos pelo jogo, pois se colocam precisamente “em jogo”. Embora pareça algo abstrato demais, creio que essa abertura, esse deixar-se levar pelo jogo, faz com que o jogador deixe escapar algo de singular sobre si afora a própria maneira de jogar.

Essa característica não fica tão estranha se apresentada assim: num jogo como o poker, onde todos estão tentando não transparecer nervosismos e emoções variadas, deixar escapar no comportamento algo assim pode significar um tell e um bocado de fichas a menos.

Pois bem, numa dessas viagens para Vegas conheci um sujeito dos mais peculiares, que reencontrei algumas vezes, e ele deixava escapar de tudo. Cabelos grisalhos quase brancos e sempre desarrumados; um relógio de pulso todo colorido que parecia de brinquedo, daqueles que a criançada ganha em quermesse; dois pares de óculos, ora um no rosto e um dependurado; e maneirismos dos mais diferentes, do jeito de arrumar as fichas até a forma de apostá-las. Sem falar nas anotações constantes que fazia num bloco de papel amassado.

Esse velhote me chamou a atenção, conversava com todos da mesa, seu sorriso fácil tinha um dente pra cada lado e alguns faltando, e tinha a mania de mordiscar a própria língua enquanto pensava nas jogadas. O conjunto ajudava a construir uma imagem das mais interessantes que já vi ao longo dos anos no poker, jogador tem de tudo quanto é jeito, mas esse sujeito era entusiasmado e estava se divertindo como ninguém na mesa, totalmente oposto ao estereótipo do jovem jogador online que mete o fone de ouvido e joga poker como se estivesse apostando a própria vida.

Em certo momento o velhote se envolveu em raises e reraises e chumbou tudo com um par de duques, de um jeito meio estabanado, pois entrou na onda do adversário que lhe puxou todas as fichas numa mesa $1/$2 cheia de bêbados, incluindo-me, claro. Perdeu a mão, disse “quack, quack!” e levantou-se. A maior parte da parceirada debochou um pouco da jogada, mas um deles avisou: esse senhor é um gênio, escreveu até livro.

Vou partir do seguinte pressuposto, gente interessante normalmente é interessada, e isso não é clichê nenhum. Noutro ano, época de WSOP, encontrei numa tarde o mesmo velhote, fincado numa mesa $1/$2 do Bally’s. Sentei ao seu lado, ele me cumprimentou e lembrei dele no ato. Jogamos algumas mãos, ele continuava repetindo o mantra “quack, quack!”, e dessa vez me ouviu conversando com um amigo em português e ficou intrigado:

– Que língua vocês estão falando? Romeno?
– Não, falamos em português.
– Mas soa tão diferente de português!
– É que somos brasileiros.
Awesome!

Por horas, conversamos sobre algumas mãos e línguas originárias do latim. Quando saí da mesa, ele me avisou que estaria ali no dia seguinte no mesmo horário, e poderíamos continuar o bom papo. Nunca imaginei que o campeão mundial de gamão de 1978 tinha jogado poker na minha canhota por uma tarde toda. Paul Magriel faleceu no começo desse mês, nos deixou o conceito de M do poker, e mudou o jogo de gamão com seu livro. Pena mesmo vai ser não revê-lo nesses encontros casuais para continuar o bom papo.

 

Imagem: Kajura/Shutterstock.com. Fontes: PokerPT.com, Pokernews, CardPlayer.

Crônica de uma noite estrelada

A última etapa do XXIV campeonato de Texas Hold’em organizado pelo clube ADT, que congrega grandes jogadores da modalidade, foi concluída na madrugada do dia 15 de novembro de 2017. Acirradíssima, a final contava com cinco jogadores em condições de vencer o campeonato, sendo que a diferença entre os três primeiros colocados estava em míseros 15 pontos (valor que qualquer jogador que participe da etapa já pontua).

Venci a etapa e o campeonato, o primeiro em minha trajetória no clube. Após três campeonatos consecutivos amargurando segundos e terceiros lugares consegui erguer, finalmente, o troféu de campeão. Entretanto, a construção da vitória não foi no dia 15, mas sim uma semana antes, quando se revelaram os jogadores aptos na última etapa a conquistar o campeonato. Como liderava o ranking por uma diferença mínima, tracei minha estratégia durante a semana, simulando posições, número de participantes, mãos com jogabilidade, e de quais jogadores devia me defender.

A vitória foi consequência de estudos, e não pela sorte que alguns atribuem. Embora tenha construído a liderança com um bom pôquer durante as etapas, não me descuidei em lembrar das boas e más jogadas, reler os posts e analisar os áudios de nosso grupo de estudos no WhatsApp, e sobretudo dos debates entre os colegas sobre as análises de mãos. Bem verdade, que como todo jogo de cartas, por definição, o pôquer tem um componente de sorte, caso contrário a vantagem matemática sempre prevaleceria. A imprevisibilidade e a jogabilidade fazem com que este jogo seja, talvez, o jogo que mais valorize a técnica, tática, análise de riscos e sobre o controle psicoemocional.

Talvez, neste contexto psicológico é que se desenhou minha conquista: O estudo minucioso e holístico (matemática, psicologia, economia, algoritmos, entre outros) que propicia ao jogador segurança e estabilidade. Por isto, é fundamental estudar os textos, áudios, vídeos e treinamentos disponíveis em livros ou na internet. Além disso, o coaching, seja entre grupos de jogadores (como no nosso caso) ou profissionais, e a troca de experiências.

O caminho para a vitória foi desenhado durante as 14 etapas preliminares, minha evolução no estudo do esporte e o estudo específico para a batalha na última etapa. Verdade também que liderava o ranking e sabia o que era necessário fazer para obter a vitória: permanecer na mesa até que os concorrentes fossem derrotados. Ligeira vantagem, porém, crucial para aplicação da minha técnica. A noite derradeira iniciou-se no sorteio da minha posição na mesa. Sabia, pelas minhas simulações, que de todas, a sorteada era a que mais me favorecia. Sorte.

Primeira mão: QQ. Soube lidar com esta mão extraindo um bom pote. Talvez o máximo possível.

Segunda mão: KK. Também puxei um bom número de fichas.

Claro que isto não ocorreria até o final da etapa, mas como me esforcei e me preparei tanto, parecia um sinal de que: “Hoje é seu dia”. Um reforço emocional, que me confortou até a última mão.

Escolhi a posição da mesa, o valor relativo das mãos para minhas ações e com quem eu poderia jogá-las para não comprometer a etapa e consequentemente o campeonato. Um algoritmo previamente elaborado e que segui à risca. Após os sete primeiros níveis, meu stack já havia triplicado e na mesa final já tinha quase 50 blinds e era chipleader. Não havia eliminado nenhum jogador até então, não joguei nenhuma mão que me comprometesse, não usei de agressividade excessiva (que é o meu ponto forte, mas também fraco e explorável). Nenhum All In. Nenhuma mão perigosa com jogadores tecnicamente estudados e concorrentes ao título. Meu “Kernel” do algoritmo.

Algumas jogadas foram cruciais:

1. Mão de Hollywood:
Jogador short, na posição UTG+1 da all In de uns 10BBs;
Jogador em UTG+2 da call;
Jogador em MP1 estoura all In de 20BBs;
Jogador em HJ dá call por baixo.

As mãos respectivas, (TQ de ouros), (88), (KK) e (AA). Minha mão (JJ). Penso por uns cinco minutos. Será que está tudo encavalado e meu JJ é bom? Algoritmo novamente: fold.

MP1 com KK leva trincando no bordo. Ganha um jogador fora da disputa do ranking, mas vejo um concorrente direto eliminado. E se eu estivesse na posição UTG+2 e tentasse isolar? Provavelmente teria perdido muitas fichas, mas a sorte me possibilitou jogar ou não aquela situação, estava na BB. Mais um reforço emocional, embora, meu fold fosse correto.

2. Quatro jogadores, com um único oponente brigando pelo título.
Dou call de 2,5BBs com KQ no BB, do raise de um não concorrente. Bordo AK555, que foi check-call até o river. Oponente da all In. Penso uns cinco minutos, e de novo o algoritmo: fold. Oponente dá showdown cortesia com 88. Se eu desse call e ele tivesse o “A”, trocaria minha liderança em fichas com ele e comprometeria a etapa. Um grande bluff. Embora estivesse claro que eu estava ganhando, fiquei muito feliz com meu fold. O algoritmo errou, mas me deu ainda mais segurança.

3. Três jogadores.
Eu chipleader e somente um outro concorrente ao título. Mais do que nunca tinha que eliminá-lo. All In do concorrente e eu no SB com AK de paus: call. Ele mostra TQ de ouros.

Naquele momento, tamanha era minha confiança, que levantei já comemorando o título. Não podia ter bad, era meu momento, era meu destino, era minha vez.

Break antes do heads-up final, fotos, congratulações, um sorriso aberto e aliviado, e uma lágrima escondida, prestes a cair e engolida. Para os jovens é uma conquista de muitas que virão, mas para um quase quinquagenário, uma das últimas de outras que virão.

A última etapa também era especial, disputa-se o chamado Grand Prix, torneio que vale troféu, com buy in mais alto, deepstack e premiação maior. Faria eu o chamado: barba, cabelo e bigode? Sim. Depois de uma longa disputa, um call seguro e de alma de K8 de ouros contra A2 off. Nenhum Ás, e meu 8 no river. Tinha que ser assim. Na última carta de longas 15 etapas.

Chego em casa às 5:00 da manhã. Acordo todos em casa e exibo meus dois troféus, ambos escritos “CAMPEÃO”. Congratulações, fotos e alegria. Agora sim, meus três troféus de 2º e 3º lugares, já expostos no meu cantinho de conquistas, recebem o Rei e a Rainha, completando o sentido no conjunto e demonstrando minha evolução. Juntos demonstram coesão, coerência e finalidade.

Por fim, como disse anteriormente, o ADT é um grande clube de pôquer, com jogadores excepcionais. É fonte de amizades e troca de conhecimento. Arrisco aqui: O ADT é o melhor. Para finalizar, acordo durante o resto dia 15/11/2017 em um devaneio de sonho, do qual eu não me retorno, gritando: “ALL IN!!!!”

 

Imagem: ADT Poker

Sim, eu também sou viciado em pôquer

Influenciado pelo texto “Relato de um jogador de pôquer“, gostaria de compartilhar com vocês a experiência vivida por mim nos últimos dois anos. Confesso que não tenho muita paciência para escrever. Portanto, não esperem um texto cativante, bem escrito, cheio de palavras bonitas. Até porque a minha história não tem nenhum glamour.

A minha vida no pôquer começou como a de qualquer outro jogador. Era uma brincadeira em roda de amigos ali, outro jogo on-line aqui… Nada muito sério. Afinal, jamais envolveria meu próprio dinheiro a sério nisso. Leviano engano. Comigo foi tudo muito rápido. Quando dei por mim, tinha passado das rodas de amigos para os torneios baratinhos. Depois, para os torneiros mais caros. Paralelamente, como que uma consequência natural, para as mesas de cash game. Tudo isso num piscar de olhos.

Meu vício cresceu proporcionalmente com a quantidade de jogos que eu me envolvia. Era como se o torneio baratinho fosse a maconha, aquela primeira droga inofensiva. Depois, com o cash game hold’em me senti buscando um estímulo maior, como o da cocaína e, por fim, como que no auge de um vício, o cash game omaha foi o crack. Fumei e cheirei todos, sem hora, sem dia e sem parar.

Jogava todos os dias, como um sentenciado que cumpre sua pena. Abria e fechava as mesas. Os donos do jogo me amavam. As ligações de “Cadê você, meu amigo? O jogo já vai começar!”, as ofertas irresistíveis “Hoje tem aquele peixinho que você adora, vem brincar com a gente”, e os incentivos de “O joguinho hoje vai ser um sonho, fulano está aqui perguntando por você” foram, aos poucos, transformando este peixinho que vos fala na verdadeira isca.

Até que, certo dia, depois de jogar cash game por trinta horas seguidas – isso mesmo que você leu, foram trinta horas de jogo -, fui lavar o rosto e me olhei no espelho. Olhava-me, mas não me enxergava. Assustei-me. Parecia ter envelhecido dez anos nos últimos dois. Chorei compulsivamente. Prometi para aquele homem do espelho – que não era eu – que nunca mais jogaria cash game.

Três dias depois, estava lá novamente, sendo a isca do meu próprio peixe. Foi aí que a carta caiu, ou melhor, a ficha caiu. Finalmente aceitei que estava doente. Procurei ajuda médica. Deletei meu Facebook inundado por ludopatas iguais a mim, bloqueei os sanguessugas que diariamente me chamavam para jogar, deixei de assistir vídeos de pôquer, deixei de acessar sites de pôquer. Blindei-me para não fraquejar.

Hoje, após oito duros meses, tenho orgulho em dizer que, com muita resiliência, estou limpo. E, o que é melhor, não sinto mais vontade de jogar. Por tudo que passei, deixo aqui alguns conselhos. Não joguem cash game. Não joguem torneios cujos valores tirem vocês da zona de conforto. O pôquer só é bom para quem não espera nada dele. Ah! Já ia me esquecendo: muito cuidado com os sites de apostas que estão se infiltrando nas casas de pôquer. Esses também não são inofensivos. Quem diria… Logo o Diabo querendo invadir o espaço do capeta.

Vade retro, Satanás!

 

 

Imagem: MarinaP/Shutterstock.com

O rush de Las Vegas

O painel do elevador do hotel não mostra o décimo terceiro andar, a superstição norte-americana torna a falta, presença. É a deixa, 13 é o palpite para uma passada rápida na roleta, 60 dólares na mesa pela mesma quantidade em fichas, uma pilha com dez delas no preto, outras dez distribuídas em pares sobre cinco números. Basta repetir por três vezes, esse é o método de aposta consagrado pela experiência, acertando um dos escolhidos com a aposta no número, o prêmio é de $70, que melhora para $90 se coincidir com a cor. São 13% de chance nos números e 48% na cor. Três tentativas depois, sessenta pratas a menos.

Em qualquer cassino de Vegas há um mostrador em cima da roleta com as estatísticas das últimas rodadas, o jogador desavisado vê uma sequência de números pretos e logo aposta no vermelho. Besteira, cada rodada da roleta é um evento único, uma sequência de 20 vezes seguidas na mesma cor não diz nada, não é à toa que o próprio cassino exibe toda a série de números e cores. A aposta combinada acima tampouco, mas jogamos cada um de nós um sistema próprio, um método que privilegia um número favorito, uma conta um pouco mais a favor ou até superstição. Com um pouco de bebida na cabeça e alguns amigos, a coragem coloca vinte dólares no 10, e começa o coro: Pelé, Pelé… Um casal argentino embala, e a senhorinha grita “Pelê”. Embriagados na outra ponta do pit embalam “Pelew, Pelew”. Deu 19, vermelho.

As caça-níqueis deveriam chamar-se “slut machines”, e não slot. A slut seria aquela que por uns poucos minutos te dá um enorme prazer e ao final leva todo seu dinheiro. Depois de torrar $80 na roleta, não custa tentar, mas novamente procuramos por um método, garimpar as máquinas com maior valor acumulado e bater aposta máxima até soltar o prêmio. Slots com o tema peixes/mar não, elas te afundam. Slots com 777’s, essas sim. Slots com tema oriental, sim. Slots com búfalos ou monstros, não. Achamos a Quick Hit, que é uma daquelas que reúne muitas atrações, bebidas de graça (que nunca são de graça), setes flamejantes, cerejas, sinos, e um bônus que faz a slot trabalhar sozinha… Depois de atolar 50 trumps pinta o tal bônus, vinte rodadas pagando três vezes o que você acertar, e depois de cinco minutos a “slut” te devolve trinta e poucos dólares.

O jeito é engatar no último torneio de poker da noite, ou como diz a turma do meio copo cheio, o primeiro torneio diário da Strip de Las Vegas, o torneio da meia-noite do Flamingo, cassino do famigerado Bugsy Siegel, gângster que impulsionou a empreitada mafiosa do jogo em Vegas, mas que hoje é apenas uma estátua no Madame Tussauds e um pouco de marketing. Sobre o torneio de poker? Ah, deixo contigo, você sabe exatamente com que espírito estamos depois dessa sequência, provavelmente agora, tentando nos convencer de que é melhor por dinheiro onde “sabemos”.

Vegas trata seus impulsos com carinho, espera de você somente aquilo que você pode dar e uma racionalização qualquer que te coloque na frente de uma roleta, slot ou feltro. O rush na cidade formada pelo pecado é ao contrário, pois só há pecado quando se acredita.

 

Imagem: Slots do Casino Royale, em Las Vegas (Naccarato)

A experiência do jogo

Exatos meio-dia e cinco, minutos após a sirene da obra soar, uma dúzia de pedreiros se aglomeram em torno de uma mesa improvisada. Um deles caminha com pressa berrando “proxim’é-eu”, outro abre a caixa surrada e retira as peças, pedras brancas desbastadas, de barulho peculiar, quem jogou dominó sabe o quanto. Em duplas, as partidas são rápidas por força do hábito, enquanto um deles mal assenta o dobre de quina no madeirite rosa, o adversário já encaixa uma peça na sequência, a gritaria começa, gargalhadas ecoam entre colunas e vigas da construção, riem uns dos outros de suas desgraças e alegrias lúdicas. Quem fica de fora não se diverte menos, escarnecem os perdedores, zombam mesmo à distância, como faz o ambulante que empurra um carrinho de mão com mandioca e banana, recostado na mureta para assistir ao jogo, para também se perder nele. Naquele intervalo de tempo, a construção, fruto da capacidade humana, é desconstruído pela experiência do jogo, fruto da imaginação.

Sobre a mesma mureta, capacetes empilhados uns nos outros e o ruído das peças de dominó no madeirite lembrariam pilhas de fichas para qualquer rato de feltro. Não há muretas no fundo do bilhar que abriga as duas mesas de poker que amortecem stacks coloridos todas as terças-feiras, a sede da sede de jogo que atravessa a madrugada. A troça da parceirada tem tanto lugar quanto as bad beats, o river é quase sempre horrível, o dealer é o bode expiatório do crime que não cometeu, cada assento conforta um jogador que o baralho desconforta. A garçonete sorri sem entender o porquê.

No caxetão da periferia, uma vez por mês, depois de duas avenidas grandes, três quebradas, quatro caras na porta confirmam se ainda há lugar. Quinhentos reais é o preço da brincadeira, seis pangarés por mesa num salão com sete delas. Salão vizinho a cancha da bocha, recreação dos de mais idade, um dos mais antigos jogos do ocidente. Do outro lado da cidade não vale grana, só honra, um velhote ajeita o quipá, dá corda no relógio, na maioria das vezes três, excepcionalmente quatro, são os tabuleiros dispostos no corredor vizinho a livraria do Conjunto Nacional, na Paulista. Curiosos acompanham intrigados, uma sequência rápida de movimentos, e4, e5, Nf3, Nc6, Bb5. Espanhola de novo! Diz irritado o parceiro.

Nos jogos o tempo não passa, se enganam aqueles que pensam que jogar é um passatempo, jogar é perder-se nele, a experiência do eterno dentro de uma fração de tempo.

 

Imagem: Jogando dominós em El Machuelitto, Porto Rico. Jack Delano em dezembro de 1941

A distopia do poker

Enquanto as cartas do flop são dispostas sobre o feltro, um pequeno feixe de raios laser atinge o bordo ressaltando a silhueta dos naipes, um painel holográfico flutua sobre a mesa mostrando aos espectadores estatísticas em tempo real. Um dos jogadores arremessa um punhado de fichas, que ao passarem pela linha de apostas são imediatamente contabilizadas, pois microchips nanométricos no interior das fichas permitem a leitura dos valores, dispostos prontamente no painel flutuante. A era da tecnologia está em seu ápice e faz do poker um espetáculo visual para além do próprio jogo.

É a feature table do Main Event da nonagésima edição da World Series of Poker, que traz uma novidade em relação aos anos anteriores. A falta de prestígio do tradicional torneio entre humanos precisava de um incremento tecnológico ao mesmo tempo que queria ressaltar as características humanas no jogo, e para tanto, os mesmos nanochips das fichas foram colocados dentro das cartas, de forma que fica possível saber a sequência das que serão distribuídas, queimadas e abertas antes mesmo do início da mão. Tal recurso pode ser visualizado apenas pelos espectadores através de uma espécie de aplicativo de celular chamado Fate.

Para quem assiste ao espetáculo sabendo antecipadamente bordo, queimas e mãos dos jogadores, a expectativa acaba sendo por ver de que forma cada um vai lidar com a situação, como vai escapar, extrair valor, como se comporta, que tipo de loucura vai fazer estando drawing dead.

Embora Fate tenha chamado certa atenção, ele não foi suficiente para recuperar o prestígio do tradicional ME de jogadores de carne e osso, afinal numa sociedade tão tecnologicamente avançada, o momento maior da Série estava reservado para o evento #100, o derradeiro, um torneio de autômatos que disputam entre si o bracelete de campeão e onde a cada corte do baralho, duas dezenas de bordos são batidos numa mesa digital a cada mão jogada. É muito mais ação, os organizadores dizem, mais bads, mais velocidade, mais mãos por hora, mais tecnologia, mais show…

O recém lançado super-robô Oedipus, embora estreante, era o favorito para ganhar o Evento #100 da WSOP, e tem uma história peculiar. Oedipus é a junção de dois dos mais poderosos softwares de jogo, King, o robô norte-americano desenvolvido para ser imbatível, e Iokaste, que é o maior banco de dados de mãos da história do poker, fruto de um consórcio de empresas alemãs que detém o armazenamento de todas as mãos jogadas em todas as plataformas de poker online desde o início do século. Mas há um porém, a empresa Oracle, desenvolvedora de Fate, prestou um tipo de consultoria alertando a equipe de Oedipus que um erro relacional em suas linhas de código poderia fazer com que ele destruísse seu predecessor King e na sequência incorporasse Iokaste, além de apresentar possivelmente algum tipo de defeito se permanecesse em rede por um longo período. Sem considerar isso como um problema e no afã de ganhar a competição, a equipe que desenvolvera Oedipus o retirou da rede para concluir os trabalhos.

Jogando 12 horas por dia em rede, Oedipus não corria o risco de apresentar o problema descrito pela consultoria, e como favorito, não encontrou barreiras para passar pelos sete primeiros dias de disputa, alcançando a mesa final líder em fichas. Na FT, a supremacia do super-robô ficou evidente, Oedipus eliminou um a um de seus adversários e após quase duas dezenas de horas o torneio se afunilou e seu rival no heads-up final era o programa americano King. Fatalmente o destino se realiza, em rede por um longo período, e confrontando o robô que serviu de base para sua criação, Oedipus processa as jogadas com tamanha velocidade que provoca um curto circuito em King, destruindo-o.

Oedipus é declarado vencedor, mas só receberá o bracelete se derrotar o campeão do ano anterior alguns meses depois, em Novembro, concomitantemente a disputa do November Nine. Nesse meio tempo a equipe de Oedipus o coloca em diversas simulações de jogo, e aproveita o recém concluído banco de dados coletado de Fate para incrementar sua capacidade de leitura do jogo. Frente a essas informações, o super-robô começa a entender e simular o comportamento humano considerando o blefe para além de um cálculo previsto, ou seja, Oedipus aprende a blefar como humanos, mesmo quando a situação matemática não favorece a jogada. Basicamente, ele começa a usar o blefe mais frequentemente, como recurso para reverter spots desfavoráveis.

Na data da final mano a mano, ou bit a bit, Oedipus enfrenta o enigmático robô Sphinx, último campeão e conhecido por apresentar jogadas fora dos padrões, overbetando muitos potes e fazendo com que seus adversários tenham que arriscar todo seu stack na quase totalidade das mãos. Mas logo nas primeiras mãos Oedipus mostra ao que veio, e interpretando a estrutura das overbets de Sphinx, constrói um contra-ataque específico para cada um dos 20 bordos que a mesa digital ofereceu, mesclando mais blefes às jogadas. Sem conseguir assimilar as respostas, Sphinx entra em colapso, se autodestruindo.

Oedipus ganha seu bracelete e o consórcio alemão decide que Iokaste deve se juntar ao vencedor, sendo incorporada a Oedipus e consolidando o maior supercomputador da história. Mas a previsão de Oracle se realiza, o defeito previsto pelos consultores acontece e Oedipus fica “cego”, ou seja, não consegue diferenciar mais seus adversários autômatos dos humanos, e como o super-robô foi desenvolvido para o jogo tendo como premissa a eliminação dos adversários, acabou reproduzindo o comportamento das competições para caçar a espécie humana, entendendo-a como seu adversário mais direto. Tal qual a pirâmide muito conhecida no poker, a humanidade foi subjugada pelas máquinas, aliás por uma rede de máquinas comandada por Oedipus, o robô que aprendeu a blefar, que aprendeu o comportamento humano.

No November Nine do ano 2.059 a inteligência artificial tomou o lugar dos humanos, exatos 200 anos após a publicação de A Origem das Espécies, de Charles Darwin, comprovando que não é o jogo matemático e inexplorável que vence, mas o jogo que se adapta.

 

Imagem: Grande Esfinge de Tanis no Museu do Louvre (Naccarato)

Como já disse antes, Ahh! Eu gosto desse joguinho…

O que me agrada neste joguinho? Não é o fato de ser o jogo da mente. Aplicar a matemática, a psicologia ou a leitura da linguagem corporal. Nada disso. Agrada-me no joguinho o barulho das fichas, o baralho falando, a dinâmica do dealer orquestrando cada mão da órbita. É o coração que quase pára ao descobrir o full house no river quebrando o cara monstro em fichas.

Estive em Las Vegas e lá me conquistaram as luzes e o dia que nunca termina, sentava no torneiozinho do Treasure Island ainda com o sol rachando o asfalto e saía de lá com a lua acima das nossas cabeças e os neons ligados. E ali eu debutei para o poker, mas não é début com príncipe e valsa. É regada à cerveja. Corona with lime, please! E barulho de ficha.

O jogo da mente se transforma em jogo de quem mente quando passa o blefe de 35off que não leva a lugar nenhum, mas na minha cabeça ansiosa, precisa ser jogado. Jogo de demente quando eu decido shovar meu K5 naipadinho, mais uma vez por falta de paciência, mas vai que cola né? Daí eu dobro, continuo, vou pra bolha, da bolha para o ITM, isso tudo sem ter a menor ideia de como contar as odds e os outs. Na simplicidade da minha donkisse, não consigo lembrar o que rolou na última mão que entrei. Como foram as ações pré-flop, o que o dealer bateu no flop, quem deu c-bet, quem foldou. E o turn? Completou a sequência runner-runner? Sei lá. Só sei que adoro ouvir falar isso tudo, algumas coisas eu entendo, outras nem tanto, daí vou a procura desse conhecimento, mas não é pra aplicar no feltro, é só pra entender as resenhas do dia seguinte, quando os meus amigos começarem a falar no grupo.

Ahh! Mas eu gosto desse joguinho, mas nada de online onde as fichas não fazem barulho nos stacks, nem os outros jogadores têm cara. Gosto de ver a mão tremer pra dar o call, daquele caminhão de fichas que foram empurradas pelo vilão. E depois ouvir o grito da galera no showdown. E órbita em órbita, nível de blind em nível de blind, a noite passa, a cerveja mais gela a garganta que embriaga, até que se dá o three-handed, o HU, e enfim o vencedor do torneio. Alguém ganhou, não fui eu, mas mesmo assim, de ali estar gargalhando com as invenções dos meus amigos, das musiquinhas e das piadas do último livro do Ary Toledo, já foi suficiente, e como já disse antes, Ahh! Eu gosto desse joguinho…

 

Imagem: iordani/shutterstock.com