A grande jogada de Molly

O assunto de A Grande Jogada (Molly’s Game, 2017) não é o poker, embora ele seja a metáfora mais adequada para elucidar a trama. O filme é baseado no livro de Molly Bloom, a garota que organizou por uma década um secreto e exclusivo cash game high stakes que contava com celebridades, ricaços e a máfia russa. Bem enredado, o filme retrata a vida de Molly intercalando seus momentos no passado com a trama do tempo presente.

O elo apresentado entre passado e presente nos dá duas possibilidades de analisar o filme. Primeiramente, podemos destacar a fase poker de Molly, que vai desde seu début no mundo da jogatina, até o jogo insano de três milhões de dólares numa única mão em Nova Iorque. Esta fase pode ser dividida em três partes, distintas entre si pelo tratamento visual e pela forma com a qual Molly lida com o jogo. Basicamente, seu envolvimento é refletido visualmente no ambiente, seguindo o esquema de um semáforo. Explico a analogia, quanto maior e mais perigosa é a sua relação com o poker, mais as cenas vão ganhando a predominância de uma cor, que vai do verde no início, ao vermelho no final.

No Cobra Lounge, estreia de Molly no mundo do poker, o ambiente é pintado com luzes verdes, e feltro e fichas são igualmente da mesma cor, ou seja, a passagem está livre para a princesa do poker e tudo o que ela faz é usar de sua inteligência para desenvolver o jogo a ponto de conseguir tomá-lo pra si. Na sequência, quando a protagonista organiza seu próprio jogo, se tornando a banca, o sinal de alerta surge, e em Los Angeles as cores predominantes passam a ser os tons dourados e amarelados, detalhes no feltro e fichas também acompanham a mudança. Quando o jogo de Molly chega em Nova Iorque, o vermelho toma conta, os valores aumentam, o rake começa a ser retirado, o vício em drogas atinge seu ponto alto e os frequentadores não são apenas ricaços em busca de diversão, há criminosos notórios entre eles, e finalmente o feltro indica: perigo!

Já, a parte da trama que trata do tempo presente é substancialmente mais mental, e se utiliza das cenas de infância e adolescência de Molly pra nos entregar o que há de mais determinante no filme.

Molly representa a obstinação recorrente nos atletas de esportes de alto nível, que os leva à privações, cobranças e treinos exaustivos, forças para além de suas vontades ou participantes delas. De certa forma, a rigidez do pai treinador-psiquiatra e o meio esportivo moldam seu caráter competitivo, mas fica claro que não é isso que move a protagonista e os demais personagens no filme. A terapia de três perguntas feita à beira da pista de patinação pelo seu pai, pode carecer de refinamento, mas entrega em poucos minutos que tipo de valores Molly carrega consigo.

É na vida emocional (e não em sua demasiadamente apresentada inteligência) que está o motor da protagonista e dos demais personagens, que colocam no feltro seus desejos, valores e frustrações, afinal, se a vida concreta coloca inúmeras barreiras para lidar com esses temas, o jogo como elemento descolado dessa concretude é o local propício para que esses aspectos surjam, pois ao jogar nos colocamos “em jogo”, uma espécie de descontrole por escolha própria.

A lista de dileções favorecidas ou freadas é longa no filme, vamos para algumas. O Jogador X não gosta tanto de poker quanto de arruinar a vida dos outros, e reproduz seu comportamento habitual ao tirar Molly do jogo. Harlan Eustice, o jogador bancado por X, busca controlar o jogo e a vida, a ponto de organizar toda a festa para esposa minuciosamente, característica de alguém que encontra no controle enorme satisfação, e é exatamente quando as coisas não vão conforme o esperado que o tilt o assalta em mais de um milhão de dólares. O advogado de Molly escolhe defendê-la porque quer para a filha o modelo feminino que ela mesma já carrega do pai.

Contudo, há tempos não parece mais ser possível Hollywood contar qualquer história que escape da batida estrutura narrativa do herói que passa por percalços e se salva ao final. É esse o traço previsível que deixa Molly’s Game no lugar comum, embora tenhamos um filme bem apresentado. GG ao diretor.

 

Imagem: Martijn Smeets/Shutterstock.com (editada)

Comentários

Publicado por

Marco Naccarato

Marco Naccarato é designer, escritor, jogador de poker e autor dos livros Floating in Vegas e Floating in Miami, que relatam com humor a dinâmica do small stakes dessas cidades. Tem textos publicados nos sites Aprendendo Poker, Pokerdicas, PokerGirls e Queens of Poker, e é idealizador do site Metapoker, além de organizar o torneio semanal ADT Poker, no bairro da Mooca, em São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha o campo abaixo para validar seu comentário * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.